Microsoft anuncia evento que pode revelar Windows 11; veja rumores

A Microsoft deve revelar uma nova edição do Windows no dia 24 de junho. Rumores indicam que o anúncio iria além de uma simples atualização do Windows 10 e apresentaria um Windows 11, uma versão completa com novas funcionalidades, Windows Store remodelada, além do rejuvenescimento de interface gráfica e iconografia, reaproveitando o trabalho iniciado no ciclo de desenvolvimento do Windows 10X.

Não há confirmação de que a Microsoft irá mesmo apresentar o novo Windows 11 na data, mas rumores e indícios dos últimos meses indicam que a nova geração é real e chega seis anos depois do lançamento do Windows 10.

Muito do que se antecipa para essa potencial nova versão do Windows tem relação com mudanças profundas no visual do sistema, cheio de elementos com origem ainda no Windows 95. As alterações do novo projeto gráfico, que são designadas pelo nome de “Sun Valley” internamente, representariam uma profunda remodelagem da interface do Windows com vistas a torná-lo mais moderno, funcional e competitivo diante de sistemas com interfaces mais flexíveis.

Esse redesign teria origem no projeto do Windows 10X, uma edição do Windows que seria mais leve para rodar em dispositivos mais simples, mas também mais adequada às realidades de novos formatos de aparelhos, como notebooks com duas telas e dispositivos com displays dobráveis. No fim das contas, a Microsoft interrompeu o desenvolvimento do 10X.

Além da mudança de interface, o sistema ganharia uma Windows Store mais eficiente e remodelada para atrair um maior número de desenvolvedores e finalmente cumprir o papel de se tornar a principal fonte de aplicações para o sistema. A loja se tornaria franca, permitindo que qualquer desenvolvedor distribua software por meio dela e derrubando antigas restrições, como as barreiras existentes hoje para navegadores.

O novo Windows 11 também viria com um sistema de áudio por Bluetooth de maior qualidade, omissão que poderia acabar com o problema crônico de delay no uso de fones sem fio com o sistema da Microsoft, além de entregar suporte ao codec AAC para som de maior qualidade na conexão sem fio.

O sistema também teria melhorias no modo de trabalho com múltiplos monitores, suporte ao recurso Auto HDR, que tem feito sucesso nos Xbox Series S/X ao aplicar HDR em games sem esse tipo de recurso.

Até o momento, nada confirma que o anúncio seja realmente de um Windows 11, e não de uma nova atualização para a edição 10. Entretanto, há uma série de indícios para a grande novidade: declarações de executivos da Microsoft há meses, o fato de a apresentação do dia 24 ser às 11h da manhã e até uma imagem com um novo logo do Windows projetando uma sombra que lembra duas barras verticais, indicando o número 11. Há ainda rumores que circulam na Internet de fontes críveis, como Evan Blass, famoso por acertar lançamentos no mercado de smartphones, sugerindo que o Windows 11 vem aí.

Lançado em 2015, o Windows 10 representou uma ruptura no modelo de distribuição de software da Microsoft com período de gratuidade de 12 meses, e até de mais tempo em alguns casos. A desenvolvedora de Redmond chegou a categorizar o Windows 10 como “a última versão do Windows”, prometendo atualizações frequentes que expandiriam o escopo e capacidade da plataforma com o tempo.

As atualizações vieram, mas os tempos são outros e algumas novas realidades têm exposto limitações para o Windows 10: mais pesado, ele carece de um apetite mais espartano em termos de hardware encontrado em plataformas mais leves como o Chrome OS. Outra questão é a necessidade de fazer com que o Windows 10 encaixe melhor na arquitetura ARM, usada em processadores de smartphones e, mais recentemente, com enorme sucesso nos Macs da Apple rodando macOS.

Com informações de The Verge (1 e 2), XDA-Developers, Engadget e Twitter e Techtudo

Microsoft Edge sinaliza navegador rival Firefox como malware

A acirrada disputa pelo mercado de navegadores ganhou um novo capítulo com a descoberta de que a Microsoft está impedindo a instalação de um programa concorrente. Segundo o site Techdows, o arquivo Firefox.exe baixado do próprio site da Mozilla não pode ser executado pelo usuário, sendo bloqueado pelo Microsoft Edge porque “poderia prejudicar o seu dispositivo”.

Uma captura de tela que mostra o momento em que o arquivo é bloqueado pelo sistema.

Diversos usuários no Reddit também confirmaram o problema, mas nem todas as tentativas de reproduzir o erro foram bem sucedidas, o que pode significar que o caso é na verdade um bug, um falso positivo ou algo que já foi corrigido pela própria Microsoft.

De acordo com os relatos, é possível instalar normalmente o Firefox a partir do Edge ao desabilitar o Microsoft Defender SmartScreen, ou então fazer um caminho mais longo baixando primeiro um rival como o Google Chrome.

O SmartScreen é um recurso da plataforma de segurança que empresa que monitora downloads e sinaliza possíveis ameaças — e desabilitá-lo não é recomendado nem mesmo nesses casos.

Fonte: Techdows e TECMUNDO

Windows 10 mata Flash Player de vez em nova atualização

O Adobe Flash Player foi descontinuado oficialmente no começo de 2021, mas o programa ainda aparece em algumas unidades do Windows 10. Agora, a Microsoft revelou um plano para acabar de vez com o software e garantir mais segurança aos usuários do sistema.

A Microsoft já está distribuindo uma atualização chamada KB4577586, que é praticamente o golpe final no Flash Player. O update remove de vez o plugin 32-bit do Adobe Flash Player do sistema operacional e também impede novas instalações.

A atualização está disponível atualmente como um update opcional para o Windows 10. No entanto, a companhia enviará a mudança de maneira obrigatória a partir de julho.

Fim do Flash até julho

Segundo o planejamento da Microsoft, o update KB4577586 vai aparecer com mais frequência nas instalações em breve. O patch estará disponível no Windows 21H1, que será liberado ainda neste mês.

Em julho de 2021, o KB4577586 também será distribuído como atualização cumulativa do Windows 10 nas versões 1507 e versões mais recentes. Além disso, o update será incluído nos patches de segurança do Windows 8.1 e Windows Server 2012.

Ou seja, a tendência é que grande parte dos usuários do Windows 10 sejam protegidos até mesmo de instalações acidentais do Adobe Flash Player até julho deste ano. Enquanto o patch final contra o software não chega de maneira ampla, vale lembrar que a Adobe já tomou providências para evitar o uso do programa.

A criadora do Flash Player lançou uma trava que bloqueia o uso de conteúdos no programa desde 12 de janeiro. Os principais navegadores do mercado também já removeram o suporte para o software, garantindo segurança até mesmo para usuários descuidados.

Fontes: Bleeping Computer e tecmundo

22% de todos os usuários ainda executam o Windows 7 em fim de vida da Microsoft

Pesquisadores relataram na segunda-feira que 22% dos usuários de PC ainda usam o Windows 7, que a Microsoft deixou de oferecer suporte em janeiro de 2020.

Em um comunicado da empresa , a Kaspersky disse que o estudo foi baseado em metadados anônimos do sistema operacional fornecidos por usuários autorizados da Kaspersky Security Network.

“Um sistema operacional confiável pode parecer bom na superfície, mas se o fornecedor não oferecer mais atualizações importantes para o software, o sistema se torna mais suscetível a ataques”, disse Kaspersky. “Quando os sistemas operacionais atingem o fim da vida útil, as vulnerabilidades permanecerão no sistema sem atualizações de patch para resolver os problemas, fornecendo aos atacantes cibernéticos maneiras potenciais de obter acesso.”

A Kaspersky recomenda fortemente que as empresas e todos os usuários atualizem seus sistemas operacionais para o Windows 10, o sistema operacional mais recente da Microsoft. No lado positivo, a Kaspersky descobriu que 72% de todos os usuários executam o Windows 10 – e menos de 1% executam os sistemas operacionais XP ou Windows Vista, muito mais antigos.

Usar um sistema operacional que foi declarado em fim de vida e, portanto, não recebe mais atualizações de segurança é semelhante a dirigir um carro com a luz de freio ligada, disse Oliver Tavakoli, diretor de tecnologia da Vectra.

“A probabilidade de desastre é grande, mas é difícil transmitir isso aos usuários de tais sistemas sem parecer que eles estão tentando fazer com que gastem mais dinheiro”, disse Tavakoli. “Este seria um bom lugar para um governo ou ONGs intervir e fornecer incentivos e programas de atualização, pois torna todo o ecossistema mais seguro.”

Dirk Schrader, vice-presidente global de pesquisa de segurança da New Net Technologies, acrescentou que as políticas de compras públicas em muitas agências governamentais muitas vezes não têm contingências para um sistema operacional desatualizado, da mesma forma que a noção de “ainda funciona” domina as discussões quando as decisões são feito sobre onde gastar dinheiro com orçamentos limitados. Na verdade, as próprias agências governamentais costumam forçar a barra quando se trata de prazos de atualização, forçando extensões no suporte de serviço do fornecedor, o que pode gerar custos adicionais.

“Será interessante ver como esse percentual é afetado pelas iniciativas do governo Biden ao longo dos próximos 12 meses”, disse Schrader. “Como os esforços de digitalização exigirão sistemas adicionais, é muito provável que os existentes permaneçam inalterados. Em qualquer caso, as organizações que ainda usam o Windows 7 são alvos mais fáceis para ataques cibernéticos por causa da falta de atualizações e provavelmente enfrentarão alguma reação pública e perda de reputação no caso de ocorrer uma violação de dados, sem mencionar o impacto que tal cenário pode ter sobre seu status de seguro de risco cibernético. ”

John Hammond, pesquisador de segurança sênior da Huntress, disse que os sistemas operacionais em fim de vida ainda funcionam em um número considerável de sistemas de produção em todos os setores. Ele disse que quando as empresas de segurança passam por avaliações de vulnerabilidade e auditorias, esses sistemas operacionais EOL inegavelmente aparecem como uma descoberta.

“Mas quando o relatório é devolvido, a responsabilidade recai sobre a própria organização para atualizar esses sistemas”, disse Hammond.

Tradução e revisão da fonte: SCmagazine

PC lento? Confira 5 dicas para otimizar o desempenho do seu Windows 10

O roteiro é quase sempre o mesmo: o computador com Windows 10 apresenta um bom desempenho logo após ser comprado, mas depois de algum tempo, torna-se cada vez mais lento, o que causa frustrações, raivas e “dores de cabeça” nos usuários.

É claro que PCs de última geração e com processadores de ponta não costumam apresentar esse tipo de problema. Contudo, nem todos têm condições de adquirir um dispositivo desse, que tornaram-se muito mais caros com a crise global de chips e com a alta do dólar.

Existem opções como baixar aplicativos de terceiros para melhorar a performance do dispositivo. A compra de um SSD (Solid State Drives) também pode ser uma boa alternativa para acelerar o desempenho do PC.

No entanto, as dicas abaixo visam otimizar o desempenho de seu computador sem a necessidade de baixar programas ou comprar novas peças. Tudo será possível por meio de pequenas configurações do próprio Windows 10. Confira.

Melhore a velocidade de inicialização do Windows 10

Quem enfrenta problemas com lentidão na inicialização do Windows 10 sabe como o processo pode irritar até mesmo o mais calmo dos usuários.

Uma boa dica é gerenciar todos os aplicativos que são automaticamente inicializados ao ligar o PC. Para isso, clique com o botão direito na barra de tarefas (ou use o atalho Ctrl + Shift + Esc) e acesse o “Gerenciador de Tarefas”.

Feito isso, vá na aba “Inicializar”. O computador vai exibir todos os programas que são iniciados ao ligar o dispositivo. Vale deixar apenas as ferramentas do próprio sistema, como o gerenciador de áudio e as notificações do Windows Security.

Os demais programas podem ser desabilitados, já que é possível abri-los manualmente depois. A medida certamente fará com que a inicialização de seu Windows 10 seja bem mais rápida.

Desinstale programas não utilizados

Assim como em dispositivos móveis, aplicativos não utilizados podem ocupar um espaço considerável na memória de computadores.

Uma boa dica é acessar as opções do Windows 10 (por meio do atalho tecla Windows + I) e selecionar a opção “Aplicativos”.

É possível filtrar os apps por ordem de tamanho e dar uma boa revisada nos aplicativos não utilizados. Basta clicar em um deles que a opção “Desinstalar” vai aparecer. A “limpeza” poderá renovar o “gás” de seu computador.

Não lote o HD

A dica segue o mesmo princípio do tópico acima. Ocupar muito espaço em seu HD no Windows 10 faz com que o computador trabalhe de maneira relativamente mais lenta.

Vale ficar de olho no limite de armazenamento. Para isso, vá nas opções do Windows 10 (por meio do atalho tecla Windows + I), entre na opção “Sistema” e vá até a seção “Armazenamento”.

Será possível monitorar o armazenamento em seu HD. O ideal é nunca ultrapassar mais de 90% da capacidade de disco.

Ainda existe a possibilidade de ativar o Sensor de Armazenamento, que exclui “arquivos inúteis” de seu PC, como arquivos temporários e conteúdos na lixeira.

Use apenas um antivírus

Além de ocupar mais espaço em seu sistema operacional Windows 10, utilizar dois antivírus ao mesmo tempo, na verdade, pode ser prejudicial para a sua segurança.

Isso porque o uso simultâneo das ferramentas pode ocasionar em conflitos entre os programas (imagine duas pessoas dirigindo o mesmo veículo), já que cada um pode ter uma medida específica para proteger o computador.

A verdade é que o Windows Defender, que é integrado ao sistema operacional, é mais do que suficiente para grande parte dos usuários. Ele possui bons recursos contra vírus, malwares e outras ameaças. E o melhor de tudo: é gratuito.

Aparência e desempenho do Windows 10

Alterar algumas pequenas configurações de aparência podem otimizar o desempenho de seu dispositivo. Isso serve para usuários que não ligam para o visual, e sim, para uma boa performance.

Clique no ícone do Windows, busque por “desempenho” e clique na opção “Ajustar a aparência e o desempenho do Windows”. Será possível escolher a opção predefinida que otimiza a performance do Windows ou mesmo criar a sua própria configuração ao desmarcar as caixas desejadas.

A ação vai tirar animações ao abrir novas janelas, simplificar as fontes mais personalizadas, eliminar alguns efeitos de transição, entre outras medidas. Vale a pena para quem deseja otimizar o desempenho.

Fontes: Olhar Digital e  Genbeta

Windows 10 já está presente em 1,3 bilhão de dispositivos ativos

Sistema operacional foi lançado em julho de 2015 pela empresa

Reprodução/Microsoft

A Microsoft anunciou durante a divulgação dos resultados financeiros para seu mais recente trimestre fiscal que o Windows 10 já está presente em 1,3 bilhão de dispositivos ativos. O sistema operacional foi lançado em julho de 2015 e na época a empresa afirmou que sua meta ter o sistema presente em 1 bilhão de dispositivos, como PCs, laptops, tablets, Windows Phones, consoles Xbox One, sistemas Surface Hub, headset de realidade aumentada HoloLens e outros dispositivos Internet of Things (IoT), em até três anos após o seu lançamento, mas isso acabou não acontecendo. Foi só em março de 2020 que a Microsoft confirmou que o Windows 10 já estava presente em 1 bilhão de dispositivos. 

O crescimento na adoção do sistema operacional neste último ano pode ser atribuído em parte à pandemia de Coronavírus (COVID-19), já que muitas pessoas acabaram comprando novos PCs e passaram a trabalhar em casa. A Microsoft disse que a demanda por novos PCs ajudou a empresa a conseguir US$ 41,7 bilhões em receitas no trimestre fiscal mais recente. Amy Hood, CFO da Microsoft, disse que o mercado de PCs permaneceu excepcionalmente forte apesar da escassez de chips. No caso dos consoles Xbox, eles foram afetados de forma mais negativa pela escassez de chips do que os PCs.

As receitas da linha de dispositivos Microsoft Surface chegaram a US$ 1,5 bilhão no trimestre fiscal mais recente, o que representa um crescimento de 12% em relação ao mesmo período no ano anterior. Apesar disso, o valor ficou abaixo do esperado pela Microsoft por motivos não revelados pela empresa.

Como o Windows 7 já não é mais suportado pela Microsoft, isso também ajudou a acelerar a adoção do Windows 10. Vale lembrar que empresas que ainda usam o Windows 7 podem pagar por atualizações enquanto trabalham em seus planos de migração para o Windows 10. No caso dos usuários domésticos, eles ainda podem fazer o upgrade gratuito para o Windows 10 ou comprar novos PCs com o sistema operacional.

O anúncio da Microsoft também mencionou que sua plataforma de colaboração Microsoft Teams já tem mais de 145 milhões de usuários ativos diariamente, o Microsoft 365 para usuários domésticos já tem mais 50 milhões de assinantes e que a receita provinda de conteúdos e serviços da divisão Xbox cresceu 34%.

Fontes: Adrenaline, Neowin.net, ZDNet

Microsoft Office 2021 que não exige assinatura entra em testes

Office 2021 não oferece acesso aos apps para dispositivos móveis, webapps e nem atualizações automáticas com novos recursos.

Microsoft Office (Imagem: reprodução)

A Microsoft anunciou nesta quinta-feira (22) o início dos testes para o Office 2021 para Mac, versão do pacote de produtividade da empresa que não depende de uma assinatura mensal ou anual para poder rodar. Diferente do que vem sendo feito no passado recente, esta modalidade dos programas é exclusiva para clientes comerciais, deixando de fora o consumidor final – ao menos por enquanto.

Junto da versão para Mac, a Microsoft também anunciou os testes do Office LTSC (Long Term Servicing Channel, ou Canal de Serviço para Longo Prazo em tradução livre) para Windows e que vai funcionar exatamente da mesma forma. Ambos são perpétuos para a empresa que resolver comprar a licença necessária e incluem recursos presentes apenas no modelo de negócios do Office 365, que envolve pagamento recorrente.

“A próxima versão perpétua do Office para clientes comerciais é especialmente desenvolvida para organizações que executam dispositivos regulamentados que não podem receber atualizações com recursos por anos a fio, dispositivos de controle de processos que não estão conectados à internet em fábricas, e especialmente sistemas que precisam de bloqueios de tempo e exigem canal de serviço de longo prazo”, comenta a gigante do software.

A Microsoft afirma que usuários acostumados com a versão 2019 do Office para este mesmo público notarão uma interface e recursos já familiares, mas com mais ferramentas de acessibilidade e maior desempenho para as máquinas onde rodam.

Mesmo com a sensação de “só um novo programa”, tanto o Office 2021 como o Office LTSC entregarão aos clientes as novas ferramentas já presentes para assinantes do Office 365 disponível para empresas. A versão para Windows será distribuída em uma técnica de “clicar para rodar” e nos Macs ele poderá ser instalado via arquivo no formato pkg.

O Office 2021, junto da versão LTSC para Windows, funciona sem limite de tempo após a compra da licença, mas o suporte para eles não segue o mesmo pensamento. A Microsoft promete cinco anos para este serviço, o mesmo tempo oferecido para a versão LTSC do Windows 10.

Segundo a Microsoft, o Office 2021 será distribuído para todos os clientes em versões de 32 e 64 bits, independente da plataforma escolhida.

Office 2021 e LTSC serão lançados para o consumidor final

Se você é um dos usuários que prefere pagar uma só vez pelo programa e ter toda a ferramenta funcionando sem a necessidade de assinatura, saiba que a Microsoft prometeu entregar essa versão perpétua do Office 2021 e LTSC para uso pessoal e também para pequenos negócios.

O anúncio deste Office perpétuo foi feito em fevereiro e a promessa da Microsoft é de disponibilizar a compra do pacote de produtividade da empresa até o final deste ano. A data exata ainda não foi divulgada, nem mesmo o preço, mas a gigante do software comentou que ele pode ser o mesmo valor cobrado pelo Office 2019 – ele custa R$ 1.789 no Brasil.

Se você quiser baixar a versão de testes do Office 2021 para Mac ou Office LTSC para Windows, basta clicar aqui e seguir as instruções (em inglês).

Com informações: Microsoft e Tecnoblog

Microsoft lança correção de impressora para versões mais antigas do Windows

A Microsoft lançou atualizações de emergência fora de banda para Windows 7, 8.1, Windows Server 2008 e Windows Server 2012 para corrigir problemas de impressora decorrentes das atualizações de terça-feira do patch de março de 2021.

Agora que a Microsoft  corrigiu os bugs  em suas recentes atualizações de impressão OOB do Windows 10, eles agora lançaram versões das versões mais antigas do Windows.

Essas atualizações resolvem os seguintes problemas durante a impressão:

  • Os elementos do documento podem ser impressos como caixas pretas / coloridas sólidas ou podem estar faltando, incluindo códigos de barras, códigos QR e elementos gráficos, como logotipos.
  • As linhas da tabela podem estar faltando. Outros problemas de alinhamento ou formatação também podem estar presentes.
  • Imprimir a partir de alguns aplicativos ou em algumas impressoras pode resultar em uma página ou etiqueta em branco.

As atualizações estão disponíveis no Catálogo do Microsoft Update nos seguintes links:

Como as atualizações OOB do Windows 10, essas são atualizações opcionais e só precisam ser instaladas se você for afetado pelos problemas recentes da impressora .

Traduzido e adaptado de Bleeping Computer

Windows 10 força instalação do October 2020 Update em PCs com versão antiga

A Microsoft anunciou que forçará a atualização de alguns computadores ainda equipados com versões antigas do Windows 10. O objetivo é colocar os PCs com software já defasado dentro da versão 20H2 do sistema operacional, aumentando assim sua base de dispositivos instalados.

A atualização do Windows 10 é um serviço indolor e rápido para alguns, enquanto para outros é uma tarefa complicada e muito demorada. Juntando isso, com relatos de problemas em alguns updates liberados pela Microsoft, muitos usuários insistem em não baixar patches e packs distribuídos gratuitamente pelo Windows Update.

Para diminuir o número de pessoas que ainda rodam alguma versão defasada do Windows 10 e que já está chegando no fim da vida útil (EOS, ou end of service em inglês), a Microsoft atuará de modo forçado na atualização que leva o PC para o pacote de outubro, também conhecido como 20H2 e que foi liberado para todos os usuários a partir do dia 20 de outubro do ano passado.

Para evitar consumidores reclamando da atualização chegando de modo forçado, a Microsoft afirma que utiliza dados coletados por aprendizado de máquina para saber o momento ideal da instalação.

“Nós continuaremos o treinamento de nosso aprendizado de máquina em todas as fases para distribuir novas versões do Windows 10 de forma inteligente, e entregar uma experiência de atualização tranquila,” comenta a Microsoft em nota.

Update do Windows 10 contém problemas conhecidos

Mesmo com inteligência artificial pensando a partir de dados encontrados pelo aprendizado de máquina, a Microsoft sabe que problemas de compatibilidade podem aparecer pelo caminho. Estes obstáculos ainda fazem o update de outubro do Windows 10 não aparecer para algumas pessoas, mesmo na fase de atualização automática e forçada.

Outros problemas no software também podem aparecer e alguns deles já são conhecidos pela empresa. Ela lista quatro deles, sendo o primeiro impedindo a abertura de alguns jogos feitos com Direct3D 12 quando utilizam recursos do Discord. Outros dois envolvem drivers de áudio.

O quarto e último afeta métodos de entrada para o Furigana, que pode não funcionar corretamente em aplicativos para o Windows 10. Nenhum destes quatro problemas foram corrigidos até então, mas a falha nos games pode ser solucionada quando o jogador desativa o overlay do Discord sobre o jogo – isso não é bem uma solução, mas já vale.

Se você está no grupo de usuários com computador rodando uma versão desatualizada do Windows 10, é bom pegar o café e se preparar para o update chegar. A Microsoft afirma que deve liberar o download do pacote cumulativo aos poucos, durante as próximas semanas.

Por conta deste update em ondas, algumas pessoas podem não encontrar a atualização quando clicam no Windows Update. É só esperar, já que se algum problema de compatibilidade de hardware for encontrado, o sistema operacional avisará o usuário.

Com informações: Microsoft e BleepingComputer e Tecnoblog

Patch Tuesday de fevereiro da Microsoft já chegou com correções para o Windows 10

As constantes atualizações e melhorias do Windows 10 fazem deste sistema da Microsoft um dos mais usados e mais estáveis do mercado. Claro que existem problemas, mas estes estão a ser corrigidos e eliminados de forma permanente.

Como é normal no seu ciclo de desenvolvimento, a Patch Tuesday traz as correções de segurança necessárias para a sua estabilidade. A de fevereiro surgiu agora e traz várias correções importantes. É por isso hora de atualizar o Windows 10.

Hora de atualizar o Windows 10

Todos os meses na mesma altura, a Microsoft lança as correções do Windows 10. A Patch Tuesday garante aos utilizadores a chegada das mais recentes e importantes correções de segurança, para que as máquinas estejam protegidas contra todos os problemas.

Este mês de fevereiro não foi diferente e mais uma vez a Patch Tuesday chegou para o Windows 10 e para outras versões mais antigas. Todas as correções estão disponíveis e prontas para ser instaladas nestes sistemas operativos da Microsoft.

As correções da Patch Tuesday

No que toca ao Windows 10, a Microsoft voltou a focar-se na segurança e este mês corrigiu uma falha que permitia a elevação de privilégios nos componentes win32k. Há ainda a correção da falha que poderia comprometer o sistema de ficheiros e impedir o arranque depois de um chkdsk /f.

Outra correção de segurança veio fechar a falha que permitia às apps com privilégios de sistema imprimir para os portos “File:”. Muitos outros componentes e serviços do Windows 10 tiveram também correções importantes e melhorias de segurança.

Segurança para mais sistemas da Microsoft

Também as versões anteriores do Windows foram alvo de melhorias a vários níveis, desde o Windows 8 até ao velho e ainda usado Windows 7. Estas estão disponíveis, dependendo do suporte a que os utilizadores tiverem acesso, especialmente no caso do sistema mais antigo.

Dada a relevância destas atualizações, é importante que as mesmas sejam instaladas de imediato. Estas devem estar já disponíveis para os utilizadores, dentro da área Atualizações e Segurança que está dentro das Definições do Windows 10.

Fonte: pplware