WhatsApp testa prévias de links aprimoradas nos Status

Foto por Anton em Pexels.com

O WhatsApp prepara prévias de links mais elaboradas para publicações no Status. Ainda indisponível para testadores, a função permitiria incluir endereços da web anexadas a uma prévia da página em posts temporários, tal qual acontece em chats comuns.

As prévias de links do Status do WhatsApp favorecem a composição das publicações temporárias, poupando o autor de recorrer a outras ferramentas (como prints próprios) para isso. A novidade funcionaria de forma semelhante às prévias enviadas em conversas, composta por título, subtítulo e imagem, aparentemente interativos ao toque.

Prévias de links tem formato retangular e apresentam imagem, subtítulo e versão simplificada da URL (Imagem: Reprodução/WABetaInfo)

Segundo o WABetaInfo, que descobriu a novidade, as prévias de links do WhatsApp aparecem de forma automática ao adicionar detalhes ao link compartilhado. Primeiro, a função foi encontrada em desenvolvimento no app para iOS, mas é bastante provável que ela seja disponibilizada de forma similar no Android e possivelmente no programa para Desktop.

Ainda sem previsão

Quanto à previsão de lançamento, pouco se sabe. Por se tratar de uma função ainda indisponível para testadores e em processo de implementação, deve levar algum tempo até ela ser liberada para o público geral. Aos que esperam pela novidade, resta apenas aguardar.

Fontes: WABetaInfo e Canaltech

WhatsApp Web libera login em múltiplos aparelhos para todos

Só é possível conectar um celular à sua conta, e o smartphone é necessário para introduzir novos aparelhos.
Fonte:  Divulgação/Whatsapp 

O WhatsApp começou a liberar uma nova versão de seu mensageiro para navegadores com suporte para login em até quatro aparelhos simultaneamente sem a necessidade de manter o celular conectado à internet. A função, que estava em fase de beta até então, desconectará todos os dispositivos “adicionais”, caso o cliente fique 14 dias seguidos sem usar o serviço no smartphone.

Mesmo com a novidade, todas as mensagens continuam com a criptografia de ponta a ponta. A ferramenta será útil para quem utiliza o serviço no trabalho, pois não precisará depender do acesso rápido ao portátil — e nem da bateria. A flexibilidade de conversas também será mais fácil, o cliente pode, por exemplo, mandar a mensagem no laptop, mudar de sala, continuar a conversa em um tablet ou computador enquanto o celular carrega.

As mensagens no WhatsApp Web em todos os dispositivos continuarão sendo sincronizadas em tempo real, como funcionava anteriormente. É importante ressaltar que em testes internos a novidade não foi disponibilizada a todos, mesmo com o aviso de atualização no mensageiro para navegadores. Portanto, é possível que a iniciativa esteja sendo implementada aos poucos.

Caso deseje aproveitar o recurso, mas ele ainda não esteja funcionando, inscreva-se no programa de testes do aplicativo e habilite o recurso “Múltiplos aparelhos”, que está disponível na opção “Aparelhos conectados” dentro do app do WhatsApp em celulares. Não obstante, é possível apenas esperar a chegada da atualização.

Fonte: Tecmundo

Procon-SP notifica WhatsApp, que pode ser multado em R$ 10 milhões

Logo após o apagão nas plataformas do Facebook na segunda-feira (4), o Procon-SP emitiu, nesta terça (5), uma notificação ao aplicativo de mensagens WhatsApp. Além dos dois, o Instagram, que também é de propriedade da empresa de Mark Zuckerberg, também ficou fora do ar por mais de seis horas.

Em decorrência disso, usuários das plataformas, além de pequenas e médias empresas, podem ter sido afetados, avalia Fernando Capez, diretor do órgão de defesa do consumidor. “Somente em caso fortuito externo, que é um terremoto ou um evento muito forte, poderá isentar o WhatsApp de responsabilidade”, disse.

“O consumidor que se sentir prejudicado com a queda do sinal deverá aguardar as informações prestadas pelo WhatsApp ao Procon”, avaliou Capez. Segundo ele, as falhas internas “não eximem a responsabilidade da prestadora de serviço”. A multa por eventuais danos morais e materiais pode chegar a R$ 10,7 milhões, adiantou o órgão à Folha de S.Paulo.

O aplicativo de mensagens, que também possui uma versão para negócios chamada WhatsApp Business, deverá responder os motivos da indisponibilidade de funcionamento. A partir das respostas, o Procon deverá analisar as justificativas e decidir se prosseguirá com a multa, que também poderá ser recorrida pelo aplicativo.

Em nota ao TecMundo, o WhatsApp esclarece que “ainda não recebeu uma notificação formal do Procon-SP, mas  permanece à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos necessários.” “O WhatsApp reconhece a importância do seu papel e a confiança depositada por empresas e pessoas no aplicativo. A empresa trabalhou com afinco para restaurar o serviço o mais rápido possível, o que aconteceu no mesmo dia”, diz a nota.

Facebook se desculpa com usuários

O Facebook pediu desculpas aos usuários pelo inconveniente e restaurou os serviços ainda na noite de ontem. Segundo a empresa, o que aconteceu foi um erro de configuração em roteadores, mas que não colocou em risco os dados dos usuários.

“Nossas equipes de engenharia descobriram que as alterações de configuração nos roteadores de backbone que coordenam o tráfego de rede entre nossos data centers causaram problemas que interromperam a comunicação”, diz o comunicado.

Além das plataformas do Facebook, o tráfego na internet ficou instável em diversas outras. O Telegram sentiu um número massivo de usuários utilizando o seu serviço, enquanto o Twitter também sofreu com instabilidades.

Fonte: Tecmundo

O WhatsApp está prestes a tornar suas mensagens mais seguras do que nunca

O WhatsApp em breve estará aprimorando suas opções de criptografia, permitindo que os usuários armazenem suas mensagens criptografadas como backup no Google Drive e no iCloud , uma inovação sem precedentes para a empresa de propriedade do Facebook.

O anúncio foi feito na página do Facebook de Mark Zuckerberg . O CEO do Facebook observou que “o WhatsApp é o primeiro serviço global de mensagens nesta escala a oferecer backups e mensagens criptografadas de ponta a ponta”, enquanto adicionar o desafio técnico envolvido para fazer isso acontecer não foi uma façanha pequena.

Se tudo correr conforme o planejado, esta solução de criptografia ponta a ponta deve fornecer uma camada extra de segurança para os usuários do WhatsApp, que em breve poderão armazenar backups de suas mensagens em seu serviço de armazenamento em nuvem preferido.

Análise: Mais segurança, menos problemas

Dado o tamanho da base de instalação do WhatsApp em comparação com outros aplicativos de mensagens semelhantes, uma solução de criptografia extra como essa se torna uma necessidade, especialmente quando centenas de bilhões de mensagens são compartilhadas todas as semanas. Agora, os usuários frequentes do WhatsApp têm uma camada extra de segurança para sua tranquilidade. 

Pense nisso como uma autenticação de dois fatores, mas protegendo históricos de mensagens criptografadas em vez de sua conta. O resultado final oferece um nível semelhante de proteção, apenas para um tipo diferente de dados.

Anteriormente, os usuários do WhatsApp podiam criar backups de seu histórico de mensagens no caso de perderem o telefone, por exemplo. No entanto, os usuários não puderam fazer backup com segurança de suas mensagens criptografadas em um serviço separado até agora, pois os backups em nuvem perderiam sua criptografia quando carregados para o serviço.

O Facebook enfatizou que nem ele nem empresas como o Google ou a Apple (proprietários do Google Drive e iCloud, respectivamente) serão capazes de acessar os arquivos criptografados de um usuário. Isso significa que seu histórico de mensagens será seu e somente seu para fazer backup e mantê-lo seguro.

O Facebook insiste que esse recurso de armazenamento será opcional e será lançado para usuários iOS e Android nas próximas semanas. 

Fonte: Techradar

WhatsApp ganhará reações como as do Facebook para mensagens

Assim como no Facebook, o WhatsApp deve ganhar, em breve, reações às mensagens. A novidade, identificada pelo site WABetaInfo, teve uma captura de tela revelada na sexta-feira (3). Nela, é possível ver que os usuários poderão reagir a outras mensagens com emojis, o que, aparentemente, funcionará em chats individuais e em grupos.

De acordo com o site, que monitora novidades em teste do aplicativo, as reações podem usar qualquer emoji da galeria. Elas também não são anônimas, então todos os participantes de uma conversa podem ver cada adição. Por enquanto, o recurso está em desenvolvimento no iOS e deverá chegar também ao Android no futuro.

Na captura de tela compartilhada, o WhatsApp exibe três emojis de reações a uma mensagem e um contador, à direita, com um número que corresponde ao total de interações. Como trata-se de uma novidade em fase de testes, é possível que detalhes visuais e de funcionalidades sejam alterados até a finalização da ferramenta.

Em paralelo, o WhatsApp tem dado mais passos rumo à independência do celular. Prova disso é que, no mês de julho, o aplicativo lançou a função, ainda em testes, de múltiplos dispositivos. Com isso, o usuário consegue utilizar o app sem precisar de um celular de maneira direta — já que eles ainda são essenciais para validar as contas.

Fontes: WABetaInfo e tecmundo

Telegram chega ao clube dos aplicativos com mais de 1 bilhão de downloads

Foto por cottonbro em Pexels.com

O Telegram atingiu a impressionante marca de um bilhão de downloads, o que o torna o 15º aplicativo em todo o mundo a chegar neste patamar. Segundo dados da Sensor Tower, o programa alcançou esse número incrível nesta segunda-feira (30), um feito notável para um app que não tem uma Big Tech por trás, como Google, Facebook ou Microsoft.

O relatório publicado com exclusividade pelo site TechCrunch revela que a Índia é o país com mais usuários, com um total aproximado de 22% das instalações do programa. Completam o TOP 3 a Rússia e a Indonésia, respectivamente, com cerca de 10% e 8% de todos os descarregamentos. Como o relatório da Sensor Tower ainda não foi tornado público, não dá para saber em qual posição o Brasil está.

As instalações do Telegram aceleraram em 2021 e chegaram a 214 milhões só no primeiro semestre, o que representa 61% de crescimento no comparativo com o ano anterior (133 milhões). Embora não faça uma associação direta, esse crescimento do Telegram pode ter relação com a polêmica do WhatsApp e sua nova política de privacidade, que autoriza o compartilhamento de dados dos usuários com o Facebook.

Essa quantidade de instalações não significa base ativa: no início de 2021, estimou-se um total de 500 milhões de usuários mensais. O número varia porque há muita gente que instala o app e não o utiliza ou que então já o teve em alguma conta perdida no passado. Mesmo assim, não dá para negar a importância desses números, principalmente quando comparados com os de outros rivais mais “endinheirados”.

Com sede em Dubai, o app de origem russa lançado em 2013 levou algum tempo para se tornar conhecido, mas ganhou fama ao apresentar recursos inéditos que os concorrentes levaram anos para implementar — ou ainda nem o fizeram. A plataforma arrecadou, no início desde ano, mais de US$ 1 bilhão para investimentos, mas ainda segue fiel aos seus princípios de levar a privacidade do usuário a sério.

Fonte: TechCrunch e Canaltech

WhatsApp vai permitir migração de backup entre sistemas operacionais

Quem usa o WhatsApp e já trocou de plataforma de celular sabe: todas as conversas acabam perdidas. Agora, isso parece estar prestes a mudar. Segundo o WABetaInfo, está em desenvolvimento uma função que vai permitir a migração do histórico de chats para outro sistema operacional, ou seja, se você usa um dispositivo iOS e quer mudar para um Android, e vice-versa.

A migração das conversas não é simples mesmo quando se trata da mesma plataforma. Quando você troca de aparelho, o backup para a transferência pode ser demorado e é comum que pelo menos parte do chat deixe de ser recuperada. Esse processo também deve ganhar melhorias, já que o WhatsApp tem trabalhado para aperfeiçoá-lo.

Atualmente, a transferência vai bem quando se muda de número no mesmo celular. A ideia, então, é tornar isso possível em diferentes situações, seja uma troca de aparelho na mesma plataforma, seja uma mudança de sistema operacional.

A equipe do WABetaInfo obteve capturas de tela que mostram o processo. Pelas imagens, parece que a ação não poderá ser feita a qualquer momento: vai ser preciso iniciá-la quando a conta de WhatsApp for vinculada a um telefone de plataforma diferente. Além de transferir as conversas, a função vai migrar todos os arquivos associados à conta.

Além disso, se a migração envolver a troca do número de telefone, tudo vai poder ser feito de uma única vez. Por enquanto, quando a mudança envolve a troca do aparelho e a mudança do número, os processos são feitos separadamente. Assim, a ação vai ser muito mais rápida do que agora. Se você quer apenas trocar o número do telefone, pode fazê-lo em Configurações > Conta > Mudar número.

A função ainda está em desenvolvimento e vai ser oferecida para Android e iOS. Ainda não há data prevista para o lançamento da novidade.

Fonte: Uol

Google Meet adiciona modo para economizar bateria e dados no celular

Após a explosão de popularidade dos aplicativos de videoconferência, impulsionado pelo isolamento social, o Google tem trabalhado para levar aprimoramentos aos usuários do Meet. A novidade agora é uma nova configuração para permitir estabelecer um limite de uso de dados no Android e iOS.

Esta opção vai baixar a qualidade do vídeo e do áudio durante uma conferência para adequar às condições da rede. Atualmente, o Meet ajusta o dispositivo, a rede e as configurações para fornecer a “melhor experiência possível”, por isso há casos onde o consumo pode ser elevado.

A novidade deve ajudar a reduzir o uso de dados, o que é importante para quem usa planos limitados, e maximizar a vida útil da bateria. Menos qualidade de som e vídeo significam menos processamento do celular e isso tem forte impacto na duração da carga. É uma boa opção para quem precisa fazer uma reunião por vídeo fora de casa, enquanto se desloca ou em um local sem internet rápida.

Com a redução do consumo de recursos, o aparelho terá mais memória disponível para rodar outros aplicativos simultaneamente. Pode ser útil para quem tem um smartphone mais modesto e que pode travar ao rodar muita coisa junta.

Como ativar o modo de economia do Google Meet

Passo 1: Clique no menu de três traços, no canto superior esquerdo;

Passo 2: Procure por “Configurações” e pressione o botão;

Passo 3: Marque a opção “Limitar uso de dados”

(Imagem: Divulgação/Google)

Para voltar ao normal, é só desativar a opção de economia de dados e o Meet retorna com a oferta do excelente serviço de sempre.

É importante reforçar que a economia de dados vai influenciar apenas na exibição do seu aparelho, sem qualquer prejuízo para os demais participantes da reunião. Por isso, pode usar despreocupado.

O Google tinha planos para limitar o uso do Meet para o ambiente corporativo, de modo similar ao que faz o Zoom — reuniões mais curtas, número máximo de assinantes e outras. Mas, em razão da pandemia de COVID-19, a empresa decidiu adiar os planos para oferecer às pessoas alternativas gratuitas e funcionais. A tática, além de ter ajudado milhões de usuários em todo o mundo, ajudou a tornar o sucessor do Google Hangout a se popularizar.

O serviço começa a ser liberado hoje e deve ser concluído nos próximos 15 dias. Se você não consegue visualizar a opção ainda, é recomendado atualizar o app e aguardar mais alguns dias — caso o update não apareça, o jeito é esperar até desembarcar na App Store ou na Play Store.

Fontes: Google  e Canaltech

Após um ano de testes, WhatsApp pode enfim lançar proteção de backup na nuvem com senha

Já faz um tempo que o WhatsApp adotou o uso de criptografia por toda a extensão do mensageiro. Agora, tudo indica que mais uma parte importante do app será abraçada pela tecnologia: o backup de conversas. É isso o que sugere um novo rumor apontado pelo site WABetaInfo, conhecido por revelar com antecedência novidades que podem estar a caminho do aplicativo.

É válido explicar que a criptografia já existe nos backups das conversas. Bem, quase isso. O que acontece é que o banco de dados de cada conversa, com exceção de arquivos de mídia (fotos, vídeos etc), é criptografado. No entanto, não é a mesma criptografia de ponta a ponta usada na troca de mensagens entre os usuários e, portanto, a mais segura. Além disso, quando o backup copia para a nuvem os dados do bate-papo, ele não conta com esse mesmo nível de proteção.

Segundo capturas do WABetaInfo no Twitter, é justamente aí que as coisas vão mudar na ferramenta, que deve implementar o uso de uma senha de oito dígitos para liberar o acesso ao backup de dados na nuvem. Não apenas as conversas em texto seriam beneficiadas com a novidade, mas também todo o tipo de mídia, incluindo áudios, vídeos e imagens.

O usuário ainda teria que confirmar o procedimento ao inserir um número de telefone — o mesmo utilizado no ato da inscrição no WhatsApp. Essa mesma ação pode ser obrigatória caso a pessoa decida baixar o backup de suas conversas em um novo telefone, além do código de oito dígitos definido previamente, que também será exigido para completar o processo.

Ainda não há previsão de lançamento desse novo recurso, mas ele está em fase de testes há mais de um ano no iOS. A novidade também deve chegar para dispositivos Android.

Fontes: Gizmodo e WABetaInfo

Telegram cresce e está em 45% dos celulares de brasileiros, diz pesquisa

Engajamento no Telegram aumenta e WhatsApp tem pequena queda em comparação com o último ano; entenda

O número de usuários do Telegram e do Signal, apps de mensagens instantâneas disponíveis para Android e iPhone (iOS), cresceu nos últimos meses, enquanto o WhatsApp apresentou pequena queda. Os dados são de relatório encomendado pelas companhias Mobile Time e Opinion Box e investigam os principais aplicativos de mensagens no Brasil. A pesquisa também traz dados que relacionam a ascensão dos apps rivais do WhatsApp como uma possível resposta às novas políticas de privacidade do mensageiro, que passarão a valer a partir do dia 15 de maio deste ano.

m meados de janeiro, o mensageiro mais popular do mundo começou a disparar notificações sobre a mudança em seus termos de uso, que passariam a permitir o compartilhamento de dados do WhatsApp com outras empresas do grupo Facebook. Prevista para ocorrer em 8 de fevereiro, as mudanças foram adiadas pela grande repercussão negativa do caso, e campanhas de esclarecimento foram extensivamente exploradas pela companhia, que chegou a vincular propagandas em jornais na Índia, país com quase 500 milhões de usuários ativos por mês no WhatsApp.

Segundo o relatório, o Telegram teve um crescimento expressivo em número de instalações em celulares brasileiros em comparação com o último ano. Em janeiro 2020, cerca de 27% dos entrevistados tinham o app instalado no celular, número que subiu para 45% em janeiro de 2021, indicando um crescimento de 18 pontos percentuais em um período de 12 meses.

O texto ainda traz informações sobre a popularidade de outros apps de mensagens, bem como a frequência de utilização e engajamento dos usuários nas plataformas. Segundo a pesquisa, o WhatsApp ainda é o app mais popular, presente em 98% dos celulares brasileiros. Na sequência estão outras plataformas do grupo Facebook, com o Instagram em segundo lugar, marcando presença em 81% dos smartphones, e o Messenger em terceiro, com 74%. O Telegram ocupa a quarta posição com 45%, seguido do Signal, com 12%.

A frequência de uso dos apps também é maior para o WhatsApp, em que 95% dos usuários abrem o app todo dia ou quase todo dia. Para o Telegram, o engajamento é de 45% e, para o Signal, fica em 29%. Apesar disso, Telegram e Signal bateram o WhatsApp em número total de downloads em janeiro deste ano, segundo dados do site especializado em crescimento de apps SensorTower.

O relatório também indica uma pequena queda na popularidade do WhatsApp no último ano. Em janeiro de 2020, 99% dos brasileiros tinham o app instalado no celular e 95% deles abriam o mensageiro todo dia. Neste ano, esse número caiu para, respectivamente, 98% e 86%.

Além disso, a pesquisa também revela um crescimento no desinteresse pelo uso da função de pagamentos do WhatsApp, prevista para ser liberada este ano. No ano passado, cerca de 66% dos entrevistados declararam interesse na função, ao tempo em que 54% expressaram interesse esse ano. Segundo a pesquisa, a queda de 12 pontos percentuais no WhatsApp Pay também pode ter relação com o lançamento do Pix, método de pagamentos instantâneo do Banco Central.

Fontes:  National Herald India e India Today e Techtudo