Windows 7 ainda é executado em pelo menos 100 milhões de PCs

Windows 7 (Microsoft)

Anunciado em janeiro de 2020, o encerramento do suporte da Microsoft para o Windows 7 parece não ter desanimado os fãs do sistema operacional. Isso porque diversos relatórios analíticos estimam que essa versão ainda é utilizada em pelo menos 100 milhões de computadores.

Segundo a Microsoft, existem cerca de 1,5 bilhão de usuários do Windows — em suas mais diferentes versões — no mundo todo. Claro que é muito difícil obter um número exato de pessoas que utilizam o Windows 7, mas embora as análises do ZDNet e de outras fontes apresentem percentuais diferentes em participação de mercado, elas parecem entrar em um consenso de que o sistema operacional ainda representa cerca de 20% dos PCs.

Isso significa que os números podem ser ainda maiores, com o sistema operacional rodando em mais de 200 milhões de dispositivos.

É claro que a pandemia do coronavírus pode ter influenciado os números de usuários ativos do Windows 7. Como muitas pessoas passaram a trabalhar em regime home office, muitos computadores e laptops mais antigos voltaram à ativa executando o sistema operacional.

Ainda assim, os números são surpreendentes tendo em vista que o Windows 7 foi lançado em 2009.

Sucesso do Windows 7

Para tentar entender o porquê do sistema operacional ser tão querido pelos usuários, é preciso voltar um pouco no tempo para entender o contexto.

O Windows 7 foi lançado logo após o fracasso do Windows Vista, trazendo uma nova interface e recursos indispensáveis, como o UAC (Controle de Conta de Usuário), o Windows Media Center e o Windows Defender.

O sistema operacional também otimizou o desempenho dos computadores em comparação às versões do Vista. Além disso, os sucessores Windows 8 e o próprio Windows 10 implementaram muitas mudanças e novas funcionalidades, desacostumando os usuários.

Isso, inclusive, é um dos motivos de muitas pessoas preferirem o sistema operacional de 2009 às versões mais recentes.

Preocupações com a segurança

No entanto, executar o Windows 7 em um computador não é uma prática segura.

Com a descontinuidade do suporte da Microsoft anunciada no ano passado, novas vulnerabilidades que existem no sistema continuam sem atualizações e isso significa que os usuários podem ficar desprotegidos. E os cibercriminosos, obviamente, se aproveitam da situação.

Por isso, apesar do “amor incondicional” dos usuários com o Windows 7, é recomendável que os computadores executem sistemas operacionais mais recentes, como o Windows 8.1 ou Windows 10. Essas versões recebem suporte periódicos capazes de solucionar os mais diferentes tipos de problemas que possam surgir.

Ainda assim, mesmo diante dos riscos e de uma versão encarada como obsoleta, o Windows 7 dá indícios de que não “acabará” tão cedo.

Fontes: Olhar digital e  The Verge