Tudo o que já sabemos sobre a próxima atualização de abril do Windows 10

screenshot-1770

A Microsoft está se preparando para oferecer uma grande atualização do sistema operacional Windows. Conhecida até agora como Build 19H1, o update deve ser enviado em abril deste ano.

Na verdade, essa atualização é liberada de tempos em tempos, e leva o nome público de “Grande atualização de abril de 2019”. Considerando que a grande atualização de outubro de 2018 causou vários problemas, talvez o próximo update possa contar com atrasos no envio.

Abaixo, relacionei alguns dos recursos que espero ver na atualização de abril do Windows 10.

Espaço reservado no disco rígido

Para impedir que uma atualização falhe devido à falta de armazenamento, a atualização do Windows 10 de abril de 2019 reserva permanentemente um espaço no disco rígido da máquina chamado de “Armazenamento Reservado”. Ele será usado exclusivamente para iniciar o processo de atualização.

O Windows 10 reservará um total de 7GB de espaço em disco nos dispositivos em faremos o download e, assim, evitará problemas que possam ocorrer durante a instalação.

Sandbox do Windows

O Windows Sandbox é outro dos aprimoramentos que virão com a atualização do Windows 10 de abril de 2019. É uma maneira de testar aplicativos sem oferecer riscos ao sistema.

O Windows Sandbox é um tipo de ambiente isolado e temporário, no qual você pode testar um software não confiável sem precisar se preocupar com problemas operacionais no seu PC. O Windows Sandbox é um ambiente fechado, apenas para testes, que executamos pontualmente e cujos efeitos desaparecem quando o fechamos.

Um ambiente que oferece um aspecto semelhante ao do PC no momento em que o compramos, sem adições subseqüentes para cujo uso exigem algumas especificações:

  • Sendo usando uma versão do Windows 10 Pro ou Windows 10 Enterprise;
  • Use uma arquitetura AMD64;
  • Ter os recursos de virtualização ativados no BIOS (UEFI);
  • Um mínimo de 4 GB de RAM (8GB recomendado);
  • Um mínimo de 1 GB de espaço livre em disco (aqui é recomendado usar um SSD);
  • Ter pelo menos 2 núcleos de CPU (são recomendados 4 núcleos com hyperthreading).

Tema do Windows Light

Outra novidade que virá com a nova versão do Windows 10 é referente a visualização e estética do sistema. Ele terá um tema claro, ao contrário do modo escuro cada vez mais presente que estamos vendo em todos os tipos de sistemas.

O Windows Light Theme é caracterizado por eliminar qualquer reminiscência de tons escuros que possam aparecer na tela, algo que acontece hoje, embora tenhamos optado por usar o tema que é corrigido por padrão em nosso computador. Também é esperada uma mudança radical na estética, eliminando os tons escuros que cercavam os ícones dos aplicativos e a lista deles.

Cortana é isolada do campo de buscas

A Cortana, assistente pessoal da Microsoft, não estava com um futuro tão próspero, algo que foi confirmado alguns dias depois. A Cortana saiu a caixa de pesquisa e talvez tenha sido o primeiro passo para que pudesse ser ainda mais dispensável.

Agora, ao usar a caixa de pesquisa na barra de tarefas, a nova experiência de busca interna é iniciada, enquanto a Cortana tem um ícone de acesso independente. Pode ser o gatilho para os usuários escolherem qual assistente virtual usar por padrão no Windows.

Melhorias no menu Iniciar

A Microsoft está separando o botão “Iniciar” no Windows 10 e agora ele terá seu próprio processo chamado “StartMenuExperienceHost.exe.” É, portanto, isolado, o que torna mais fácil resolver possíveis falhas e erros. O teste já vem sendo feito há algumas semanas e espera-se que seja implementada nesta atualização de abril.

Melhorias no recurso timeline

Timeline é uma recurso que chegou na atualização de abril de 2018 e, embora possa haver casos em que você pode não querer ativá-la, a verdade é que é uma função que levará em conta todos os dispositivos que podem ser conectados.

É um acréscimo que oferece aos usuários a possibilidade de acessar de forma cronologia todas as aplicações em uso. Com o “Windows Timeline” temos acesso a um tipo de gerenciamento de tarefas, sendo capaz de acessar tanto aqueles que abrimos de uma vez quanto aqueles que utilizamos com frequência. E agora incluiríamos nessa linha do tempo nosso histórico de todas as aplicaçõe que usamos na mesma conta da Microsoft, não importa quais sejam os dispositivos.

Navegador Edge baseado no Chromium

Uma das surpresas deste ano: a Microsoft se rendeu ao Chromium. Ao não conseguir uma alternativa interessante que nos faça apostar no Edge, a Microsoft decidiu adotar um mecanismo de renderização baseado no Chromium, semelhante ao usado pelo Google Chrome, Opera e Safari.

O objetivo é, por um lado, oferecer um navegador mais compatível e, por outro, criar algo mais fácil de manter. Ele seguirá desta forma as etapas iniciadas no Android, onde o Edge já deixou o EdgeHTML de lado para continuar usando o Chromium.

Em paralelo, espera-se um novo menu no Edge que ofereça aos usuários a possibilidade de compartilhar dados com dispositivos próximos, desde que estejam conectados à mesma rede.

Mudanças no Windows Update

Por fim, pudemos ver mudanças no Windows Update com foco em facilitar o processo de atualização. Todas as versões do Windows 10 terão a opção de atrasar uma atualização. Desta forma, se algo falhar na nova Build, a instalação de segurança não será executada de forma automática enquanto trabalhamos, porque pode ser adiada por até 7 dias.

É uma função que até agora só estava disponível na versão do Windows 10 Pro e, com base no histórico da Microsoft com as últimas atualizações e suas falhas, é um acréscimo que, certamente, agradecemos.

Fonte: Olhar digital