JUMP: você vai querer esse carregador para celular

Com o acúmulo de funções presentes nos smartphones, não é exagero dizer que eles se tornaram pequenos computadores portáteis. E com cada vez mais recursos, é fácil entender porque as baterias dos smartphones não duram aquelas que eram presentes nos celulares mais antigos. E quem é que nunca sofreu com a falta de energia nos aparelhos quando precisam de alguma ligação ou navegação?


Pensando nisso, um grupo de desenvolvedores da Califórnia (Estados Unidos) decidiu inovar e criar um sistema que permite muito mais possibilidades para os consumidores. Trata-se do JUMP, um sistema de carregamento portátil, que garante a manutenção da bateria dos celulares, ao mesmo tempo em que otimiza o carregamento deles quando ligados a tomadas ou computadores.

O JUMP funciona de um modo bem interessante. Substituindo carregadores comuns, ele deve ser ligado a uma fonte de energia (computador ou tomada) e também ao smartphone. Ele possui uma bateria interna de 800 mAh, que pode funcionar como uma fonte de energia extra para os momentos em que os smartphones ficam sem energia suficiente para algumas funções. E o grande trunfo está no controle inteligente de energia.

Somente depois que o JUMP identificar que a carga do celular está completa é que a bateria do próprio dispositivo começa a ser carregada. Um chip de controle é quem faz a identificação dessa carga, permitindo que os consumidores sempre tenham o máximo da energia possível em seus aparelhos.

O JUMP está no Kickstarter e os desenvolvedores queriam arrecadar US$ 40 mil para iniciar a produção comercial, mas já conseguiram US$ 83 mil — lembrando que ainda faltam mais de 30 dias para o fim da arrecadação. A previsão é que as primeiras unidades do aparelho sejam entregues a partir de maio deste ano — é estimado que nas lojas comuns eles cheguem a US$ 40, tanto na versão USB quanto na versão Lightning.

Fonte: Tecmundo

Matterform: conheça o scanner 3D que você pode ter na sua casa

O número de impressoras 3D disponíveis no mercado é cada vez maior e, por conta disso, o custo para ter um produto como esse em casa também está ficando cada vez mais acessível. Se anteriormente era preciso desembolsar quase R$ 10 mil para ter uma dessas, hoje já é possível encontrar modelos razoáveis por menos de R$ 2 mil.



Entretanto, para aqueles que desejam transformar objetos do dia a dia em projetos para impressão em 3D, a falta de conhecimento técnico ainda pode ser um problema. Resolver essa situação é justamente a proposta do Matterform, um scanner de mesa capaz de capturar em 3D objetos já existentes.


Equipado com uma câmera HD com duplo laser e uma plataforma rotativa, o produto escaneia com facilidade e rapidez objetos que possuam tamanhos entre 19 centímetros de largura, 19 centímetros de altura e 25 centímetros de profundidade. O processo é capaz de ler até 2 mil pontos do objeto por segundo, e o resultado final é salvo em arquivos dos formatos STL, OBJ e PLY.

O scanner 3D Matterform deve ser liberado para a venda em breve no mercado norte-americano. Apesar de ainda não haver uma data definida para o início das vendas, já é possível fazer a pré-compra no site da empresa. O preço sugerido é de US$ 579 (o equivalente a R$ 1.367, sem impostos).


Fonte: Tecmundo

Galaxy Note 3 Neo: versão barata do foblet da Samsung vaza em imagem


A Samsung pode estar prestes a apresentar o Galaxy Note 3 Neo, versão mais barata do foblet top de linha da empresa, o Note 3. O novo dispositivo teve suas primeiras imagens vazadas nesta sexta-feira (10) e deve chegar com tela e configurações inferiores ao modelo top.







As imagens são do site especializado SamMobile e revelam um dispositivo com design muito similar ao Galaxy Note 3. O novo gadget, chamado pela página de Note 3 Neo, teria uma tela de 5,5 polegadas com resolução HD (720p) no lugar das 5,7 polegadas Full HD (1080p) do irmão de ponta. Já a traseira manteria o mesmo design em couro, adotado pela Samsung recentemente.Nas configurações, o Note 3 Neo pode chegar com um processador de seis núcleos, composto pela combinação de um chip com dual-core de 1,7 GHz e um quad-core de 1,3 GHz. São cogitados também a memória RAM de 2 GB, câmera de 8 megapixels e suporte a conexões USB 3.0. O sistema seria o Android 4.3 (Jelly Bean), versão anterior à atual 4.4 (KitKat).

A expectativa é que um modelo mais barato do Galaxy Note 3 possa atrair mais consumidores, já que o aparelho original chegou ao Brasil custando nada menos que R$ 2.799. Ainda não há nenhuma confirmação oficial da Samsung sobre o assunto, mas espera-se que o dispositivo seja apresentado durante a Mobile World Congress (MWC) 2014, que acontece no próximo mês em Barcelona.