Atenda as chamadas sem tocar na tela igual ao Galaxy S4!

A Samsung com o Smart Stay e Smart Dial, presentes no Galaxy S4,  faz com que você possa sentir que seu smartphone realmente te entenda, como se ele lesse sua mente, mesmo que na verdade, seja apenas alguns sensores que estão atuando.
Uma das características principais do Samsung Galaxy S4 foi o Air Call Accept, com esse recurso, você não precisa tocar no dispositivo para atender uma chamada, você apenas precisa deslizar a sua mão sobre o sensor e o smartphone irá ler o seu gesto, efetuando assim a ação.
Um dos desenvolvedores de aplicativos Android, conseguiu replicar esse recurso e então você pode utiliza-lo no seu smartphone Android, de forma gratuita, agora você pode atender chamadas igual no Samsung Galaxy S4. O aplicativo utiliza o sensor de proximidade para substituir o sensor utilizado no Galaxy S4.
Para isso, tudo o que você precisa fazer é instalar o aplicativo da Google Play Store e executá-lo. Depois que você receber a chamada, basta apenas acenar com a mão em frente ao sensor de proximidade para atender a chamada. O Air Call Accept possui uma versão paga, permitindo assim rejeitar chamadas, ligar alto falante e enviar um SMS automatico quando rejeita a chamada com um gesto.


Fonte: Mobile Bit

PlayStation 4 será o novo console mais vendido neste final de ano, segundo pesquisa

São Paulo – O PlayStation 4 continua ganhando a batalha pelo interesse dos consumidores norte-americanos, de acordo com os novos dados liberados pela Reuters nesta segunda-feira (30).


Quando perguntados sobre um sistema dedicado para jogar jogos, 26% de 1300 pessoas responderam que tinham preferência sobre o PlayStation 4, enquanto apenas 15% revelou planos para comprar o Xbox One. A diferença é ainda maior, entretanto, entre as pessoas abaixo de 40 anos, com 41% optando pelo PlayStation 4 e 27% para o lado do console da Microsoft.
Claro que, nas palavras da própria Reuters, a pesquisa representa apenas uma “pequena parcela” da público comprador durante o final deste ano, mas já serve para oferecer uma indicação de como as vendas possam se portar.
Vale lembrar que, de acordo com a Sony em sua última conferência realizada durante a Gamescom, que aconteceu na Alemanha durante o mês passado, já foram efetuadas mais de 1 milhão de pré-vendas do PlayStation 4. Já a Microsoft não comentou números, mas explicou que suas pré-vendas já superaram a do Xbox 360, lançado há oito anos.


No Brasil, ambas as máquinas chegam no dia 22 de novembro, o Xbox One custando 2,199 reais, e o PS4 ainda sem preço definido. 
Fonte: Info

Descubra a origem do botão Curtir, do Facebook

Curtir
1. Like.
2. Botão usado no Facebook para elogiar um post na rede social.
3. Lançado em 2009, por pouco seu nome não foi o grandiloquente awesome button. Felizmente, o like venceu. Já o dedão em riste foi escolhido como símbolo por se familiarizar com o poke (cutucar), que é representado por um dedo indicador. Ou cutucador.



Origem

O StumbleUpon, ferramenta de busca lançada em 2001, já tinha o termo I like it e um polegar para curtir links. Em 2007, outro site, o Friendfeed, criou um botão com o mesmo nome e funcionamento do Curtir. A empresa foi comprada por Mark Zuckerberg em 2009.

Outros usos

Dedão para cima não é sinal positivo universal. No Oriente Médio, pode ser considerado um insulto como o nosso dedo do meio em riste. Mesmo assim, o botão Curtir nesses países é igual ao dos outros lugares. O Facebook cogitou o Descurtir em 2007, mas ainda não o lançou, apesar dos apelos dos mal-humorados.

Redes sociais podem ser irritantes; confira lista com os dez piores hábitos

As redes sociais e mensageiros contam com diversos recursos que facilitam a comunicação entre seus usuários. Mas algumas funções parecem ter sido criadas especialmente para irritar as pessoas. O que dizer sobre as hashtags em excesso em publicações, posts nada interessantes de pessoas que você sequer conhece e um barulho estridente para chamar a atenção? Confira uma lista com os dez recursos mais irritantes da rede e veja se concorda.


1) Poke (ou cutucada) no Facebook
Um cutucão não costuma ser algo divertido mas, por algum motivo, a equipe de Mark Zuckerberg achou que criar um recurso de “Cutucar” (ou “Poke”) seria interessante. A função apareceu no Facebook, primeiramente, como um botão na página principal do usuários, como uma forma de ampliar a interação na rede social. Segundo o próprio serviço, as cutucadas são interpretadas de diferentes maneiras, o que pode acabar gerando confusão.
Há quem aperte o botão para chamar a atenção de um amigo, para flertar ou apenas para incomodar algum contato. Estes últimos entram para o grupos dos inconvenientes, respondendo a todas as cutucadas para ver quem desiste primeiro. Ao que parece, a função não agradou muito, sendo omitida da interface mais recente do Facebook.
2) Chamando a atenção no MSN
Bater um papo com uma pessoa que pode não estar dando muita bola pode ser bem chato. Para resolver o problema, a Microsoft criou, em 2005, um botão para chamar a atenção no MSN Messenger. O recurso fazia a janela tremer, juntamente com um barulho estridente. O susto na pessoa desavisada era iminente e gerava reações diferenciadas em cada internauta.
A realidade é que muita gente realiza diversas tarefas enquanto está no computador e não pode ficar usando mensageiros o tempo tempo. Alguns usuários sem paciência clicavam no botão de chamar a atenção inúmeras vezes e o resultado final só poderia ser a irritação.
Os desenvolvedores do programa tentaram evitar a situação, impedindo que a ação fosse constantemente repetida e exibia a mensagem “Você não pode chamar a atenção tantas vezes”. Era possível desabilitar a função, mas muitos usuários preferiam colocar o status como “Ocupado” para não ser perturbado. O recurso não foi levado à diante no Skype; ufa!
3) YouTube  car re ga do  em  blo cos

O YouTube adotou recentemente o Dash (sigla em inglês para Streaming Adaptativo Dinâmico sobre HTTP), uma tecnologia que divide os vídeos em blocos carregados individualmente. O recurso acabou tornando o processo de carregamento do vídeo mais lento, especialmente para aqueles que não têm uma conexão rápida. A boa notícia é que existe uma maneira de desativar o Dash e assistir aos vídeos sem ter que esperar muito.


4) Mensagens múltiplas no BlackBerry Messenger

A BlackBerry, na época BBM, pensou em uma maneira incrível para que os usuários de seus celulares pudessem mandar uma mensagem para todos os contatos de uma só vez. O BBM broadcast messages seria uma maravilha, se as pessoas não começassem a mandar correntes, com medo da possível consequência ruim que o não envio delas poderia gerar.
Além disso, spammers também se aproveitaram da facilidade para enviar conteúdos que quase ninguém queria receber. E tem mais: a empresa desenvolveu recentemente uma versão do mensageiro para iOS e Android, que deve ser lançada até o final de 2013. Ou seja, mais pessoas serão perturbadas por mensagens genéricas dentro dos próximos meses.

5) #hashtags #que #não #acabam #mais
A hashtag foi introduzida pelo Twitter como uma maneira de facilitar a busca por termos específicos. Ao usar uma palavra-chave antecedida pelo símbolo de cerquilha “#”, ficaria muito mais fácil encontrar uma determinada discussão. Ficaria. Com a chegada do Instagram, que também utiliza o sistema, as hashtags foram banalizadas e misturam todos os temas.
Os usuários passaram a usá-las sem moderação, e há fotos com dezenas delas ou com algumas longas demais, que em nada auxiliam as pesquisas. O objetivo de quem abusa do recurso é ser encontrado mais facilmente na rede social e, consequentemente, aumentar o número de seguidores. O que muitos não sabem é que há uma lista de expressões banidas pelo Instagram que não são ativadas mesmo com o uso da cerquilha em diversos termos.
Recentemente, o Facebook adotou o sistema, com o objetivo de organizar e filtrar os posts em torno de um único tema. Resta saber se os usuários da rede de Zuckerberg saberão usá-la com parcimônia ou se será mais um mar de hashtags sem sentido na Internet.

6) Mensagens diretas automáticas no Twitter
O Twitter é muito utilizado por empresas ou celebridades que querem se aproximar de seus clientes e fãs e conta com recursos voltados para este tipo de usuário. O microblog permite, por exemplo, que aplicativos de terceiros criem e enviem mensagens diretas automáticas dando boas-vindas aos novos seguidores, oferendendo produtos e fazendo perguntas.
Muitas vezes, a mensagem vem ainda com um pedido de curtida em um perfil no Facebook. Além de ser frustrante para alguém que aguarda uma DM de um amigo e se depara com algo tão comercial, muitas pessoas físicas e não famosas utilizam o recurso, enchendo a caixa de entrada dos seguidores de recados indesejados, fazendo pedidos invasivos no Twitter.


7) Debates intermináveis nos grupos do LinkedIn
O LinkedIn é uma rede social muito útil para profissionais que desejam ampliar sua rede de contatos ou que buscam por oportunidades de emprego. Mas nem tudo são flores. Os grupos do serviço, criados para reunir pessoas com interesses em comum, são bastante confusos.
A falta de moderação faz com que os usuários abram muitas discussões – algumas tantas repetidas – de modo que estes grupos percam sua função real. É bem difícil encontrar um conteúdo em meio a tanto assunto e pessoas que aproveitam o espaço para fazer anúncios.


8) Posts (nada) interessantes no Google+
Muitas vezes, as pessoas usam serviços de feeds de notícias, acessam blogs e sites ditadores de tendência para saber o que está em alta na Internet. Por algum motivo, o Google Plus achou que seria interessante colocar no meio da tela principal da rede social os tópicos considerados mais populares entre os outros usuários, levando em conta a quantidade de compartilhamentos e curtidas. O problema é que os interesses de pessoas aleatórias, sem qualquer relação, amigos ou gostos em comum, aparecem em destaque para todos.
O gigante de buscas, no entanto, parece ter entendido que nem tudo o que é legal para eles, é de interesse de quem usa o Google+. Em 2012, tornou-se possível desativar a função “Postagens interessantes”, através do menu localizado à esquerda. A modificação não fez com que as sugestões fossem mais úteis, mas, pelo menos, o usuário pode escolher vê-las.

9) Notificações de jogos no Facebook
Quem já não perdeu as contas (e a paciência) com amigos convidando para jogar Candy Crush ou Criminal Case, ou ainda com pedidos de moedas no FarmVille? E quem nunca pensou “e eu com isso?” ao ver em que um amigo fez sabe-se lá quantos pontos no Snake? O Facebook é cheio de notificações de games e, quem não joga, além de não entender o que elas significam, costumam ficar irritados com a insistência dos convites dos mais viciados.

10) Falsos prefeitos no Fousquare

Um usuário do Fousquare ganha o título de prefeito (ou mayorship) quando realiza check-ins em um determinado lugar mais vezes que os demais dentro de um período 60 dias. Para isto, algumas pessoas informam todos os locais para onde vão, desde a padaria até o salão de beleza, fazendo um verdadeiro mapa da sua rotina. Infelizmente, o problema não é só esse.
Para não perder o mayorship, é necessário manter o alto número de check-ins. E aqueles que detêm o título de prefeitos, podem marcar presença em locais sem que a aplicação confira se a pessoa está de fato lá. Ou seja, o medo de perder o peso da coroa importuna os demais usuários da rede social com check-ins mentirosos, em diferentes os lugares distantes até uns dos outros em um curto espaço de tempo. Por enquanto, a rede social aceita a farsa.
Fonte: Tech Tudo








Bill Gates admite: Ctrl+Alt+Del foi um erro

ctrl + alt + del

Uma maneira segura de efetuar o logon em um sistema Windows, adotada especialmente em versões antigas, é configurá-lo para que você seja obrigado a pressionar a sequência Ctrl+Alt+Delete para só então escolher um usuário. A função existe desde os primórdios dos computadores da IBM e, hoje, é mais utilizada para acessar comandos de reinicialização ou o Gerenciador de tarefas. Mas nem todo mundo gosta de ter “tanto” trabalho só para poder usar o PC – e, surpreendentemente, Bill Gates está entre essas pessoas.

O cofundador da Microsoft participou de um bate-papo na Universidade de Harvard e, lá, admitiu que adotar o atalho “foi um erro”. Tudo começa quando o entrevistador reclama que, na hora de ligar a máquina, ele precisa de três dedos posicionados nas teclas “Control”, “Alt” e “Delete” e pergunta o porquê de toda essa complicação. Na resposta, Gates fala que poderia ter usado apenas um botão, mas funcionários da IBM insistiram para que a sequência fosse adotada.

Fonte: Tecmundo