Vendas de phablets ultrapassam tablets e computadores portáteis.


Phablet Samsung Galaxy Note II


Venderam-se 25.2 milhões de phablets no segundo trimestre fiscal de 2013 contra 12.7 milhões de computadores portáteis e 12.6 milhões de tablets

Os phablets vieram definitivamente para ficar. Segundo os dados anunciados pela IDC, terão sido vendidos cerca de 25.2 milhões de phablets durante o segundo trimestre fiscal de 2013, números bastante superiores aos 12.7 milhões de computadores portáteis e 12.6 milhões de tablets vendidos no mesmo período.

Estes números traduzem-se num crescimento trimestral superior a 100% e a 620% anuais, sendo a Samsung a fabricante dominante deste segmento de mercado com o seu popular Galaxy Note.
Um phablet é essencialmente um smartphone muito grande, mas não grande ao ponto de ser considerado um tablet. Embora as opiniões aqui possam divergir, existe quem defenda que os “phablets” são uma categoria de mercado independente dos smartphones e dos tablets.

Em três dias, criador de ‘Mega Man’ arrecada US$ 900 mil para jogo



Em apenas três dias, Keiji Inafune – criador de jogos como Dead Rising e Mega Man – arrecadou mais de US$ 900 mil no Kickstarter para desenvolver um novo game, de forma independente: Mighty No. 9.

No estilo clássico “side-scrolling”, o jogo se assemelha muito a Mega Man, com seu protagonista robô. No vídeo de apresentação do projeto, Inafune até faz referências diretas à sua criação mais famosa.

Em pré-produção, Mighty No. 9 conta a história de Beck – nona geração de um poderoso robô e o único a não ser infectado por um misterioso vírus que causou pane em outras máquinas. Agora, a missão dele é defender a humanidade das mazelas dos outros robôs.
O game está sendo desenvolvido, a princípio, para PC e será disponibilizado via Steam e “outros meios digitais sem DRM”. A expectativa de lançamento é para 2015.

Caso o projeto chegue a US$ 1,2 milhão, o estúdio fará mais duas fases das seis já prometidas. Se chegar a US$ 1,35 milhão, ele terá portabilidade também para Linus e Mac. Se alcançar US$ 2,5 milhões, ele será lançado para PS3, Wii u e Xbox 360.

Entre a equipe de Inafune estão veteranos da Capcom, como Naoya Tomita – designer de fases de Mega Man – e Manami Matsumae – que fez a trilha sonora do jogo de 1987.

Fonte: Terra Games

Microsoft compra a Nokia: entenda o que pode mudar nos próximos anos

Microsoft anunciou a compra da Nokia, na madrugada desta terça-feira (27), por cerca de US$ 7,2 bilhões (R$ 17 bilhões). A notícia pegou os usuários de surpresa não só pela transação, que já era especulada há algum tempo, mas também pelas dúvidas a respeito do futuro da companhia finlandesa. Desde 2011, a Nokia fabrica a linha Lumia, com Windows Phone, além dos celulares Asha.


O anúncio foi feito no blog oficial da Microsoft e também no Conversations, da Nokia, através de uma carta de Steve Ballmer e Stephen Elop, diretores executivos das empresas. Segundo o anúncio, a movimentação significa o “próximo capítulo” na história da fabricante de celulares.

No últimos anos, a Nokia apresentava grandes prejuízos após insistir no lançamento de aparelhos com o defasado sistema Symbian, abandonado após o lançamento do 808 PureView. A companhia, que era líder no mercado de celulares, perdeu espaço para dispositivos iOS e Android. Para tentar recuperar espaço, a Nokia adota, desde 2011, o sistema Windows Phone, da Microsoft, em seus smartphones. A parceria apresentava resultados positivos nos últimos meses, mas ainda abaixo das necessidades da finlandesa.

Para a Nokia, a compra significa uma tentativa de voltar ao topo, hoje dominado pela Samsung e Apple. No entanto, a nova “dona” da fabricante deve promover mudanças nos próximos meses, o que deixa os fãs da Nokia bastante intrigados. Acompanhe abaixo o que pode mudar a partir de agora.

– A Nokia vai acabar?

Com a notícia desta madrugada, grande parte dos usuários em redes sociais manifestaram dúvidas a respeito da continuidade da marca “Nokia”. No entanto, é muito difícil que a Microsoft acabe com a fabricante nos próximos meses, já que a tradição da companhia finlandesa e o valor de sua marca ainda são muito grandes no mercado. A Nokia liderou o mercado de celulares durante 14 anos.

– Os Lumias vão perder o suporte?

Embora ainda seja preciso aguardar um pronunciamento oficial das companhias nesse sentido, é pouco provável que a Nokia deixará de oferecer suporte, como assistência técnica e atualização de sistema, aos atuais Lumias. A Microsoft comprou a divisão de dispositivos e serviços da companhia finlandesa, o que significa que não só a marca foi transferida como também toda a atual estrutura física e humana da Nokia, ou seja, fábricas, lojas, funcionários, entre outros.


– E o futuro dos Ashas?

Além dos Lumias, a Microsoft também ficará responsável pelos celulares Asha. No entanto, o futuro dessa linha é mais incerto. Como esses aparelhos compõem boa parte das vendas da Nokia, é provável que ela seja continuada nesse primeiro momento, com os possíveis lançamentos já programados.

A longo prazo, porém, é dificil enxergar os Ashas como um modelo de negócio da Microsoft. Afinal, o grande interesse da companhia norte-americana é emplacar o Windows Phone no mercado. Sendo assim, é provável que a Nokia faça uma transição gradual dos Ashas para aparelhos com Windows Phone mais baratos, como o Lumia 520620 e 625.

–  Ainda há espaço para o Android na Nokia?

Não! Se a parceria com a Microsoft já tornava difícil a adoção do Android pela Nokia, a venda para a companhia de Steve Ballmer acaba, de vez, com qualquer esperança. O motivo é claro: o sistema do Google é o grande rival do Windows Phone. Sendo assim, não faria sentido a Microsoft permitir que uma empresa sua adote o software concorrente.


Google e Microsoft, aliás, tem um histórico de brigas e acusações no mercado de smartphones. A última delas foi gerada pelo segundo bloqueio consecutivo do aplicativo doYouTube para o Windows Phone. A Google, dona do sites de vídeos, acusou a rival de infringir os termos de uso do serviço e desrespeitar acordos firmados. Além disso, a dona do Android não desenvolve nenhum app de seus produtos para o Windows Phone, ao contrário do que pratica para o iOS, da Apple.

– Que espaço a Nokia terá na Microsoft?

Curiosidade ou não, Stephen Elop, diretor executivo da Nokia até ontem, já foi funcionário da Microsoft, onde chefiou a equipe responsável pelo pacote Office. Em 2010, o canadense deixou o cargo para comandar a fabricante de celulares, onde foi um dos principais entusiastas do abandono dos sistemas Symbian e Meego para a adoção do Windows Phone. Por essa razão, Elop é apontado como um “Cavalo de Troia” pelos fãs da Nokia, que o acusam de ser um dos principais interessados na venda da empresa, consolidada nesta terça-feira (3).

Para reforçar essa desconfiança, Stephen Elop é o principal nome cotado para substituir o atual diretor executivo da Microsoft, Steve Ballmer, que se aposentará dentro dos próximos 12 meses. Caso isso venha a se concretizar, a Nokia e o Windows Phone podem se tornar o grande foco da companhia norte-americana nos próximos anos. Para os usuários, a mudança pode representar uma agilidade maior nas atualizações do sistema, além de uma participação mais ativa da Microsoft na busca de aplicativos de peso, como o Instagram

– E os smartphones de outras fabricantes com Windows Phone?

Embora a Nokia domine as vendas do sistema da Microsoft, outras fabricantes, como Samsung, HTC e Huawei, também produzem smartphones com Windows Phone. No entanto, mesmo com a compra da fabricante finlandesa, nada deve mudar. Segundo o site especializado WP Central, a Microsoft continuará licenciando o seu sistema para outras empresas.

No Brasil, além da linha Lumia, apenas a Samsung vende aparelhos com o Windows Phone 8. A posição da Microsoft, caso confirmada, significará que o usuário poderá comprar tranquilamente um Ativ S, por exemplo, já que o aparelho continuará recebendo o suporte para o sistema operacional.

Fonte: Tech Tudo